Após o Brexit – saída do Reino Unido da União Europeia – gerou-se uma incerteza em todas as economias europeias quanto às consequências desta decisão. A verdade é que, minutos depois de se anunciarem os resultados do referendo, sentiram-se logo os primeiros efeitos e alguns são vantajosos para quem faz compras online. Ao contrário do que acontece nas lojas físicas, onde os preços costumam ser fixos durante mais tempo, os preços online tendem a ajustar-se mais rapidamente às mudanças do mercado.

 

1. A desvalorização da libra beneficia os consumidores

 

Assim que se tomou conhecimento do veredito final, a libra esterlina começou a desvalorizar imediatamente, o que significa que esta moeda já não é tão valiosa quando comparada com outras.

 

Para quem fizer compras neste país, a divisa britânica desvalorizada vai fazer com que se consigam adquirir mais bens do que anteriormente. E isto é ainda mais reforçado na medida em que não foi apenas o dinheiro na conta do banco que perdeu valor, mas também os preços, que automaticamente começaram a diminuir.

 

Este foi um desfecho visível não apenas no comércio tradicional e nos retalhistas, mas igualmente no universo online. Dentro das consequências do Brexit, os preços foram ajustados à queda do valor da moeda.

 

Está a pensar ir a Londres nos próximos tempos? Talvez consiga umas belas pechinchas. Além disso, nunca comprou em certos sites ingleses – como a Amazon britânica, por exemplo - por causa das tarifas e dos impostos elevados? Pois bem, agora estas taxas já não “mordem” como antes!

 

 

 

2. Dentro das consequências do Brexit, o euro é o rei

 

Para os consumidores que não vivem no Reino Unido e que têm outra moeda, como é o caso dos portugueses, o Brexit foi positivo, uma vez que a libra se desvalorizou face a outras moedas, como o dólar e o euro. Logo, comprar em euros vai permitir economizar mais. 

 

Porém, há que ter sempre atenção às despesas de envio no momento da compra, pois encarecem os produtos. Ainda assim, é possível que mesmo com estas taxas adicionais se consigam bons preços. E pode dar para poupar ainda mais se se contratar uma empresa de transporte - como é o caso da DHL ou MSC – para transportar os bens adquiridos a um preço mais baixo.

 

 

3. Os produtos digitais ficaram mais acessíveis

 

Entre as melhores compras online que se podem fazer em sites de e-commerce britânicos, sem dúvida que os produtos digitais ganham a medalha de ouro. Enquanto que comprar produtos físicos (como um computador ou um smartphone) online implica sempre custos de transporte, impostos e taxas alfandegárias (referentes aos direitos aduaneiros), o mesmo não acontece com os bens digitais.

 

Apps, eBooks, softwares, jogos e música, que geralmente sofrem flutuações de preços constantes, não possuem os custos adicionais supramencionados, porque não implicam transporte – apenas se procede ao download. Ultimamente, o custo deste tipo de artigos no Reino Unido baixou, o que é excelente para quem quiser adquiri-los em sites britânicos. Boas notícias para os gamers!

 

 

4. Mas os preços da eletrónica aumentaram…

 

É provável que os preços dos produtos eletrónicos aumentem, isto porque é raro que se fabriquem no Reino Unido e, por isso, as empresas de fora ajustam os preços conforme a libra desvalorizada. E esta é uma das consequências do Brexit menos vantajosas para quem gosta de comprar no mundo online. 

 

Por exemplo, a HP e a Dell encareceram os produtos no Reino Unido para se compensarem face à perda de valor da moeda e se certificarem de que os custos de produção e mão-de-obra ficam cobertos no preço de venda ao público.

 

Neste caso, só será benéfico comprar estes produtos no Reino Unido quando a libra se voltar a valorizar relativamente às outras divisas.

 

Para os consumidores portugueses que gostam de fazer compras online, estas são as grandes consequências do Brexit. É importante não esquecer ainda que, para adquirir produtos através da Internet, é necessário ter um cartão de crédito que permita não apenas realizar compras com segurança, mas também que garanta os melhores benefícios, tais como cashback, pontos, descontos e milhas aéreas. Nada como comparar a oferta no mercado e aproveitar as consequências do Brexit para começar já a preparação para o Natal! 

--

Este artigo é da autoria da equipa do ComparaJá.pt, startup portuguesa de simulação e agregação de produtos financeiros.