LEGALVISION entra em Portugal e promete digitalizar os escritórios de advocacia portugueses

A legaltech portuguesa criada em 2015 por Gonçalo Alves, Miguel Figueiredo e Loic Le Goas desenvolveu um software LEGALVISIONPRO.pt, especializado na digitalização e automatização de processos jurídicos.

A idea surgiu de uma constatação simples; os processos jurídicos são lentos, caros e existe uma faltade  transparência entre o valor do trabalho do advogado e benefício mensurável para o seu cliente. “A quando da minha experiência a trabalhar enquanto advogado numa sociedade de advogados, eu e os meus colegas passavamos demasiado tempo a tratar de papelada com clientes e com as entidades públicas. Os processos de comunicação com os clientes não eram os ideiais e maior parte deles irritava-se com a falta de eficiência e o preço final cobrado por determinada prestação jurídica.", refere Loic Le Goas, COO da LEGALVISION. Foi através da constatação deste problema que os 3 amigos pensaram numa solução e lançaram-se à aventura. Num período de apenas 3 anos a LegalVision conta atualmente com mais de 3.500 clientes num mercado europeu. Com um crescimento mensal superior a 30% e com uma operação financeira estável e equilibrada, a empresa procura através do seu software LEGALVISIONPRO.pt responder às necessidades de digitalização dos escritórios de advogados em Portugal.

O software da LEGALVISIONPRO.pt gere processos jurídicos e automatiza a geração de toda a documentação jurídica de forma adaptada a cada gabinete de advocacia. A plataforma cria formulários para os escritórios de advocacia, que automatizam o passo de recolha, validação e garantia de informação necessária em cada processo jurídico. É igualmente possível usar a assinatura digital em qualquer acto jurídico através da plataforma. Através da plataforma os advogados tem acesso reservado a um espaço único onde podem seguir o estado de cada processo jurídico. Cada etapa do processo jurídico é tambem vísivel pelos clientes dos escritórios de advocacia, o que torna todo o processo mais transparente, iteractivo e productivo para ambas as partes. Assim os clientes têm sempre um registo actualizado e seguro de todos os actos jurídicos realizados.

"Colaboramos com todos os profissionais do direito no sentido de optimizar todo o processo jurídico e apoiá-los na sua transição digital. A nossa plataforma torna a interacção mais suave e fácil de compreender para o cliente, concretamente nos passos de recolha de informação através de formulários gerados e na assinatura digital de documentos jurídicos.", refere Gonçalo Alves, CEO da LEGALVISION.

A actividade em Portugal tem vindo a desenvolver-se, sendo que a colobaração com os escritórios de advocacia tem sido crescente. Fase ao plano de digitalização da CCA ONTIER o escritório de advocacia tem-se apoiado na experiência da LegalVision para optimizar os seus processos internos e externos. Sem papel e caneta e à distância de poucos cliques, os documentos jurídicos são agora assinados de forma digital pelas várias partes em distintos pontos geográficos. “Com esta medida prevemos não só aumentar a otimização de processos, como terminar com as deslocações de clientes para assinar documentos. Este passo insere-se num plano de digitalização em curso da CCA ONTIER que continuará em desenvolvimento durante 2018, onde contamos com a ajuda da LegalVision no desenvolvimento de soluções cada vez mais adaptadas às necessidades dos nossos clientes”, refere Domingos Cruz, Managing Partner da CCA ONTIER.

“Através do nosso software LegalVisionPRO.pt, o processo de assinatura de actos jurídicos torna-se mais rápido e simples, permitindo ganhos de produtividades importantes para os advogados que o utilizam. Igualmente para os seus clientes que se encontram muitos vezes dividos em diferentes áreas geográficas, podem hoje, à distancia de alguns cliques, assinar qualquer documento jurídico de maneira 100% desmaterizaliada. Assim, pretendemos terminar com as deslocações de clientes e advogados no acto de assinatura, tornando todo o processo extremamente simples e célere”, refere Gonçalo Alves, CEO da LEGALVISION.

Em julho de 2017 a LegalVision conseguiu também conciliar investimento português e francês, tendo fechado uma ronda de 500 mil euros junto dos investidores portugueses Busy Angels e Iterar Ventures e dos investidores franceses Hémèra Ventures e BPI (Banque Publique d'Investissement) e pertende atingir 10000 clientes até ao final de 2018. Os planos da legaltech portuguesa passam também por Espanha ou abriram um escritório ainda este ano.

Startup Lisboa